Goleada na estreia, comida típica e festa russa em BH

Com direito a vodka, borsch e sharlotka, torcedores se reúnem para acompanhar a abertura da Copa do Mundo e celebrar a cultura do país-sede do Mundial

A bandeira branca, azul e vermelha estava devidamente pregada na parede. O cheiro do borsch, uma tradicional sopa russa, inundava o apartamento. No centro da sala, um par de matrioskas, vodkas, uma vistosa torta de maçã chamada sharlotka e outras comidas típicas do país-sede da Copa do Mundo decoravam a mesa. Tudo isso foi cuidadosamente preparado por um grupo de russos residentes em Belo Horizonte para a abertura do Mundial. Eles se reuniram na manhã desta quita-feira (14) e acompanharam a partida entre a seleção dona da casa e a Arábia Saudita. O placar de 5 a 0 não era esperado nem pelo torcedor mais otimista e foi o desfecho perfeito.

A anfitriã, Elena Suchkova, é musicista da Filarmônica de Minas Gerais e mora na capital mineira há seis anos. Para ela, o encontro serviu para celebrar a cultura de seu país e matar a saudade da Rússia. "É muito gostoso ver o meu país em festa. A gente sente essa vibração, essa energia e isso também nos contagia. Eu quis trazer um pouco dessa festa para a minha casa. E por isso fizemos 5 a 0 (risos)", brinca.

Filha de treinador de futebol, Elena tem a paixão pelo esporte como marca registrada da família. A goleda a encheu de esperanças: "Na Copa de 2014, a Rússia não foi tão bem quanto esperávamos, então estava com um pouco de medo. Esse jogo surpreendeu bastante, vejo que a seleção está bem preparada, com garra e vontade de ganhar. Tenho esperança que a Rússia pode chegar bem longe".

Também integrante da Filarmônica de Minas Gerais, Evgueni Gerassimov mora em BH há 10 anos. Entre um gole de vodka e um prato de borsch, ele se mostrou surpreso com o resultado, mas diz espera uma ótima campanha de sua seleção. "Achei que seria 1 a 1, mas 5 a 0 nem sonhando. Acho que nosso time melhorou nos últimos meses e estou com a expectativa que a Rússia suba no ranking do futebol mundial. Quero fazer essa festa para todos os jogos", afirma o torcedor.

Brasil e Rússia, muito em comum. A cônsul da Rússia em Minas Gerais, Carolina Bernardes Enham, também participou das comemorações. "Está sendo um dia maravilhoso, foram anos de expectativa. A abertura foi linda e estamos muito orgulhosos do trabalho que tem sido feito na Rússia. A Copa une a todos e esse Mundial na Rússia é um presente", afirmou.

Segundo Carolina, por mais que seja uma surpresa para muitos, brasileiros e russos têm muito em comum na alegria, no espírito festivo e na receptividade. A cônsul diz que o Mundial será oportuno para desconstruir o conceito de que os russos são fechados e carrancudos. "Eles são abertos, sociáveis. Essa ideia que foi construída sobre eles durante a Guerra Fria, por conta de todo um contexto histórico, é equivocada. A Copa vai mostrar para o mundo a Rússia de verdade, quem os russos verdadeiramente são", diz.

Por essa relação de carinho com a Rússia, Carolina admite que, se Brasil e Rússia se encontrarem em um duelo pelo Mundial, subirá em cima do muro: "Meu coração é brasileiro e minha alma, russa. Em um possível confronto, eu fico neutra, qualquer resultado me satisfaz (risos)".

"Aqui me sinto em casa". Foi em Belo Horizonte que Elena conheceu o marido, Fábio, também integrante da Filarmônica de Minas Gerais. Com a pequena Elis (nome em homenagem à cantora Elis Regina), de 11 meses, no colo, ela conta que se apaixonou pela cultura brasileira ao ouvir Caetano Veloso cantando bossa-nova. Na época, a musicista morava no Chile e começou a escutar música brasileira e a ter contato com o cinema nacional. Em 2012, chegou à capital mineira para fazer um teste na Filarmônica e foi aprovada. Desde então, Elena encontrou na cidade a sua casa fora da Rússia.

"As primeira coisas que me chamaram a atenção foram a simpatia e a educação dos mineiros, eles têm o coração aberto. Também adoro o clima e a gastronomia de Minas. Nunca imaginava que moraria no Brasil, mas formamos uma família, estou muito feliz e trabalho em um lugar maravilhoso. Da Rússia, tenho saudade da família e dos amigos, mas me sinto feliz e bem acolhida aqui."