Carli faz no último lance, Gatito pega dois pênaltis e Botafogo fatura o Carioca

Depois de levar a decisão para os pênaltis, o Botafogo contou com a competência do goleiro paraguaio Gatito e superou o Vasco no Carioca

Com muito drama, emoção e gol no último lance da partida, o Botafogo derrotou o Vasco por 1 a 0 neste domingo, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, levou a decisão para os pênaltis e, com atuação decisiva do goleiro paraguaio Gatito Fernández, que defendeu duas cobranças, encerrou um jejum de cinco anos sem título do Campeonato Carioca. Em campo, o jogo foi nervoso, muito truncado e com poucas chances de gol, muito em função da boa marcação vascaína, que conseguiu segurar as investidas botafoguenses mesmo após ficar com um a menos no final do primeiro tempo, quando Fabrício foi expulso por entrada dura na panturrilha de Luiz Fernando, mas não contava com o faro de artilheiro do zagueiro Joel Carli. Com direito a muito drama e emoção, o argentino foi ao ataque e, em lance de oportunismo, pegou rebote dentro da área e chutou rasteiro no meio do gol para marcar aos 49 minutos o gol que levou a decisão às penalidades. Nas cobranças, brilhou a estrela de Gatito Fernández, que viu o seu companheiro Rodrigo Pimpão parar no uruguaio Martín Silva, mas defendeu as cobranças de Werley e Henrique e saiu em direção à torcida para comemorar o 21.º título estadual do Botafogo. Com 34 taças, o Flamengo é o maior campeão, seguido por Fluminense, com 31, e Vasco, com 24. O título é o primeiro de Alberto Valentim em sua curta carreira de técnico. Depois de deixar o Palmeiras no começo da temporada, ele chegou neste ano em situação difícil - após eliminação logo na primeira fase da Copa do Brasil - e arrumou o Botafogo, que, antes de sagrar-se campeão carioca, eliminou o Flamengo na semifinal. Embaixador do Campeonato Carioca, Pelé não compareceu à decisão. O Rei do Futebol entregaria a taça ao campeão após a final neste domingo, no Maracanã, mas não apareceu em razão de dores lombares que o impediram de viajar até o Rio de Janeiro. 0 JOGO - O primeiro tempo da decisão foi pautado pelo equilíbrio Como acontece em grande parte das finais no futebol brasileiro, o jogo foi truncado e houve poucas chances de gol. Quem chegou mais perto de tirar o zero do placar foi o Vasco. Sem se apoiar na vantagem conquistada na primeira partida, o time do técnico Zé Ricardo teve dois bons lances para abrir o placar com Yago Pikachu. Na primeira, Gatito Fernández defendeu o chute de fora da área e o vascaíno não conseguiu concluir em direção ao gol na segunda tentativa. A leve superioridade vascaína foi desmontada aos 36 minutos, quando Fabrício deu uma entrada dura na panturrilha de Luiz Fernando e foi expulso. O lateral-esquerdo recebeu o vermelho direto pelo pisão que tirou o atacante botafoguense, melhor em campo, do jogo. Em seu lugar, Alberto Valentim colocou Rodrigo Pimpão. Após a expulsão, o time melhorou na partida, mas não o suficiente para pressionar o rival. Alberto Valentim arriscou e gastou logo no intervalo as duas substituições que tinha. Colocou Gilson na vaga de Moisés, que passou mal e teve de ser abanado, e mandou o centroavante Kieza no lugar do volante Marcelo. Zé Ricardo respondeu colocando o zagueiro Werley na vaga do lateral-direito Rafael Galhardo. Como esperado devido à necessidade de o Botafogo vencer, o jogo virou ataque contra defesa e o Vasco, com cautela, tentou sair nos contragolpes quando deu. Apesar de ter muito mais posse de bola, o time de Alberto Valentim não conseguia furar o ferrolho vascaíno. Brenner chegou perto em desvio dentro da área, mas Martin Silva fez bela defesa. Nos minutos finais, os zagueiros botafoguenses foram para a área e quando a torcida do Vasco já estava pronta para gritar "é campeão", Joel Carli pegou rebote dentro da área e chutou rasteiro, no meio do gol, para fazer, aos 49 minutos, o gol inacreditável àquela altura que levou a decisão para os pênaltis Nas cobranças, entre Gatito Fernández e Martín Silva, dois especialistas em pegar pênalti, melhor para o botafoguense, que viu o seu companheiro Rodrigo Pimpão errar, mas defendeu os chutes de Werley e Henrique e deu o 21.º título do Campeonato Carioca ao Botafogo. FICHA TÉCNICA VASCO 0 (3) x 1 (4) BOTAFOGO VASCO - Martín Silva; Rafael Galhardo (Werley), Paulão, Erazo e Fabrício; Desábato, Evander (Andres Ríos), Yago Pikachu, Wagner e Henrique; Riascos (Ricardo). Técnico: Zé Ricardo. BOTAFOGO - Gatito Fernández; Marcinho, Joel Carli, Igor Rabello e Moisés (Gilson); Marcelo (Kieza), Matheus Fernandes, Renatinho, Leo Valencia e Luiz Fernando (Rodrigo Pimpão); Brenner. Técnico: Alberto Valentim. GOL - Joel Carli, aos 49 minutos do segundo tempo. CARTÕES AMARELOS - Paulão, Desábato, Werley e Erazo (Vasco); Marcelo e Rodrigo Pimpão (Botafogo). CARTÕES VERMELHOS - Fabrício (Vasco) e Leo Valencia (Botafogo). ÁRBITRO - Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa). RENDA - Não disponível. PÚBLICO - 58.135 pagantes (64.208 no total). LOCAL - Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ).