Pix completa um ano com novidades e melhorias


Lançado em 15 de novembro de 2020, o Pix, sistema de pagamento instantâneo do Banco Central (BC) comemora esta semana seu primeiro aniversário anunciando diversas melhorias e novidades para os seus usuários. A primeira delas entrou em vigor nesta terça-feira, 16, com o nome de Mecanismo Especial de Devolução, que agilizará o ressarcimento ao usuário vítima de fraude ou de falha operacional das instituições financeiras.

Até agora, em uma eventual fraude ou falha operacional, os bancos demoravam a analisar o assunto e efetuar o devido reembolso. Agora, as regras e os procedimentos serão padronizados, reduzindo drasticamente o tempo para que o dinheiro indevidamente "sacado" retorne à sua origem.

Outra novidade comçe no dia 29, com a chegada do Pix Saque e o Pix Troco. No saque, o cliente poderá fazer retiradas em qualquer ponto que ofertar o serviço, como comércios e caixas eletrônicos, tanto em terminais compartilhados quanto da própria instituição financeira. Nessa modalidade, o correntista apontará a câmera do celular para um código QR, fará um Pix para o estabelecimento e retirará o dinheiro na boca do caixa. No caso do troco, o saque acontecerá durante o pagamento de uma compra, com o recebimento da diferença em espécie. O extrato do cliente especificará a parcela destinada à compra e a quantia sacada como troco.

Estatísticas

Ainda este ano, o BC pretende estender o iniciador de pagamentos ao Pix. Por meio dessa ferramenta, existente para pagamentos por redes sociais e por aplicativos de compras e de mensagens, o cliente recebe um link com os dados da transação e confirma o pagamento. Atualmente, o iniciador de pagamentos existe para compras com cartões de crédito e de débito. O BC pretende ampliar a ferramenta para o Pix, o que só será possível por causa da terceira fase do open banking (compartilhamento de dados entre instituições financeiras), que entrou em vigor no fim de outubro.

Com a troca de informações, o cliente poderá fazer transações Pix sem abrir o aplicativo da instituição financeira, como ocorre hoje. O usuário apenas clicará no link e informa a senha ou a biometria da conta corrente para concluir a transação. Tudo sem sair do site de compras, do aplicativo de entregas ou da rede social.

Até o fim de outubro, o Pix tinha 348,1 milhões de chaves cadastradas por 112,65 milhões de usuários. Desse total, 105,24 milhões são pessoas físicas e 7,41, pessoas jurídicas. Cada indivíduo pode cadastrar até cinco chaves Pix e cada empresa ou negócio particular 20. As chaves podem ser distribuídas em um ou mais bancos.