TCU adia decisão sobre duplicação da BR-381

O investimento previsto para a concessão das BR's-381 e 262 é de R$ 7,7 bilhões e inclui a duplicação de 590 quilômetros de estrada.

Ficou para a semana que vem a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o plano de concessão da BR-381, em Minas Gerais, e também da BR-262.

Durante a sessão do TCU desta quarta-feira (21), o tema foi retirado da pauta após pedido do ministro Walton Alencar Rodrigues, que teve o apoio de outros ministros da Corte de Contas.

Eles pediram mais tempo para analisar o processo que pretende passar para a iniciativa privada os trechos da BR-381, que compreende Belo Horizonte e Governador Valadares, e da BR-262, João Monlevade, em Minas, e Viana, no Espírito Santo.

Ao todo, 686 quilômetros serão licitados para contrato de 30 anos. De acordo com a Confederação Nacional do Transporte, no ano passado, a BR-381 registrou o maior número de acidentes, sendo 2.145 com vítimas e 178 mortes.

O relator do processo, o ministro Raimundo Carreiro, destacou que a BR-381 é conhecida como rodovia da morte. “Esse processo, senhora presidente, das duas rodovias compreende os trechos conhecidos como “Rodovia da Morte”. Esse processo chegou aqui em novembro do ano passado”, afirmou.