Dudamel no Atlético é uma aposta interessante, mas exige paciência

Por: Victor Eduardo

Divulgação


Seguindo a nova tendência do futebol brasileiro, o Atlético recorreu ao mercado estrangeiro para escolher seu novo treinador para 2020: Rafael Dudamel. Com trabalhos restritos apenas ao futebol venezuelano, o ex-goleiro pediu demissão da seleção vinotinto logo no segundo dia do ano e assinou com o Galo por duas temporadas.

Jovem e temperamental, o treinador de 46 anos possui duas experiências em clubes: Estudiantes de Mérida e Deportivo Lara, ambos venezuelanos. Mas foi à frente da seleção do país que conseguiu seus trabalhos de maior destaque, como no Sul-Americano sub-20 de 2015, em que se classificou para a Copa do Mundo da categoria. Na competição mundial, alcançou um inédito vice-campeonato.

Com a equipe principal, conseguiu o grande feito de transformar a Venezuela, antes um saco de pancadas das principais seleções sul-americanas, em um time bastante competitivo. Além disso, ajudou a desenvolver ótimos talentos que se destacaram em diferentes cantos do planeta, como Soteldo (Santos) e Josef Martinez (Atlanta United). Sua saída ocorre muito mais por questões extra-campo do que pelos resultados em si.

Isto posto, a escolha do Atlético se mostra interessante e pode render bons frutos no futuro, mas é preciso que todos os envolvidos (diretoria, jogadores e torcida) tenham paciência. Ao contrário de outros técnicos estrangeiros que passaram pelo Brasil nos últimos anos, as equipes de Dudamel não são conhecidas por um futebol exatamente ofensivo e encantador, mas sim pela solidez defensiva e a rápida saída de contra-ataque.

Por outro lado, contratar alguém com tanta experiência com as categorias de base parece ser um bom caminho para um clube que tem como objetivo aproveitar suas jovens promessas em 2020. Apesar das boas referências, ainda é importante que se tenha em mente que esse será apenas o primeiro trabalho do venezuelano fora do seu país.

O fato é que para o trabalho dar certo o Atlético precisará adotar uma filosofia que vem passando longe do clube nos últimos anos: dar tempo ao treinador. Por mais que a tabela do estadual ajude, principalmente por conta da atual fragilidade do maior rival, seria natural ver o técnico enfrentar algumas dificuldades quando o nível de exigência aumentar.

Dado respaldo e tempo de trabalho, Dudamel tem tudo para fazer o Atlético ser competitivo nos principais torneios da temporada atleticana. Isso, claro, se o permitirem chegar até lá.