Por que os Beatles acabaram? Última Parte

Ronildo Bacardy*


"Eles foram considerados os maiores compositores desde Beethoven"


Em seus últimos momentos de vida, os Beatles protagonizaram uma das mais misteriosas e complicadas histórias de fim de romance do século 20. E também a mais triste delas. Os Beatles não fizeram apenas música – eles influenciaram sua época com o mesmo peso de qualquer força política e com resultados mais benéficos que a maior parte delas.

Por que, então, os Beatles se separaram? Muitos culpam as maquinações de Yoko Ono, lendária paixão de John Lennon, e a maléfica malícia de Allen Klein, então empresário da banda, queridinho de Lennon e desafeto de McCartney.

Mas não era tão simples. “Não acho que alguém seria capaz de abalar quatro pessoas fortes como eles”, declarou Yoko mais tarde, “mesmo que tentasse. Acredito que outra coisa aconteceu. Tenho certeza de que não foi nenhuma força externa”. De fato, as verdadeiras causas estavam mais próximas.

Os quatro estavam juntos havia tempo, fazendo parte de uma história tão cheia de mágoas quanto de grandeza. Aquelas sessões de gravação – para o que viria a ser o filme e o disco Let It Be – começaram inspiradas, mas havia muita coisa errada acontecendo quando McCartney finalmente fez seu apelo. Desde o ano anterior, o sentido de parceria da banda vinha se desgastando.


"Após a morte de Brian em 1967, a banda perdeu o rumo"


Em agosto de 1967, a liderança dos Beatles mudou de uma forma mais clara quando o empresário Brian Epstein foi encontrado morto, vítima de uma overdose acidental. Epstein passava por uma crise depressiva, mas continuava dedicado à banda. Muitos acreditavam que era ele quem os mantinha centrados e protegidos.

Embora Yoko seja geralmente descrita como uma mulher ambiciosa que perseguia John obstinadamente, ela também teve sua parcela de dor e decepção durante os tempos difíceis que viriam, perdendo contato com sua filha, Kyoko, e deixando de lado sua promissora carreira artística por causa de Lennon. Como ela mesma contou mais tarde, “Sacrifiquei tudo por este homem”.

O dia 10 de abril pode ser considerado uma péssima data para muitos que têm pelos Beatles o carinho de fã, pois é a data em que Paul McCartney anunciava ao mundo o fim da banda fundada por John Lennon. A partir daí, cada integrante poderia trilhar outros caminhos, direcionando força e talento a seus projetos solo.

John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr por seu trabalho em conjunto, foram responsáveis por canções de grandiosidade inquestionável, agregando fãs de todos os cantos do mundo e mesmo com a passagem de 49 anos daquele fatídico dia, sua música ainda é reverenciada, provando que quando a música é boa, não tem prazo de validade, é eterna!

*Ronildo Bacardy é radiojornalista e beatleólogo. Escreve neste espaço às terças-feiras.