Delegado Waldir diz que Bolsonaro ofereceu cargos e fundo partidário para “comprar” liderança de Eduardo

O parlamentar repetiu o xingamento que fez em reunião fechada. “Eu não menti. Ele me traiu. Então, é vagabundo”, disse

Arquivo - Agência Brasil

"Eu não menti. Ele me traiu. Então, é vagabundo”


Em entrevista ao Jornal O Estado de São Paulo , o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO) afirmou, nesta sexta (18), que o presidente Jair Bolsonaro está “comprando a vaga do filho dele na liderança do PSL”.

Segundo o Delegado Waldir , Bolsonaro está oferecendo cargos e fundo partidário a parlamentares para que o filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) assuma a liderança do PSL na Câmara.

“A única finalidade do governo hoje é me derrubar da liderança do PSL”, realça o atual líder do PSL na Câmara. “A traição vem de onde você menos espera”, diz. “É uma vitória fenomenal eu ainda estar na liderança, considerando que líder do governo, o presidente e ministros estão atuando contra”.

O Delegado Waldir afirma que não irá sair da liderança, a menos que o presidente do PSL, Luciano Bivar, o vice, Antonio Rueda, e os outros parlamentares solicitarem sua saída.

“Caso contrário só em janeiro”, destaca sobre o termino de seu mandato como líder do PSL na Câmara.

O Delegado Waldir também reafirmou as críticas a Bolsonaro , repetindo xingamento de que o presidente seria vagabundo. “Eu não menti. Ele me traiu. Se precisar, eu repito dez vezes”.

“Eu fui um dos quatro votos para ele (na disputa pela presidência da Câmara, em 2016), contrariando meu partido na época, o PR. Votei no Bolsonaro . Recusei R$ 2,5 milhões de emendas parlamentares na época e vim para o PSL. Andei 246 municípios no sol. Fui chamado de louco ao defender Bolsonaro”, explica o Delegado Waldir .

Fonte: Último Segundo