Comissão da ALMG recua e desiste de homenagear Wilson Witzel

Requerimento foi pedido pelo deputado Noraldino Júnior

[imageme39425]A Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) recuou e tirou de pauta um requerimento que concedia título de cidadão honorário ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). A decisão acontece em meio a debates sobre a política de segurança pública adotada pelo governador e às críticas feitas ao governante, especialmente após a morte da menina Ágatha Felix, 8, que foi baleada nas costas na última sexta-feira (20), na capital fluminense.

O requerimento é de autoria do deputado Noraldino Júnior, que é do

mesmo partido de Witzel, e já vinha causando polêmicas desde a semana passada. Na sessão do último dia 17, o parlamentar defendeu a homenagem devido à solidariedade prestada por Witzel logo após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, ocorrida em janeiro. O deputado, que não é membro efetivo da comissão, não participou da sessão na tarde desta terça-feira (24).

O requerimento foi retirado a pedido do deputado Douglas Melo (MDB), que considerou o momento inoportuno para a análise. O pedido saiu de pauta com a chancela de Beatriz Cerqueira (PT) e João Magalhães (MDB), que preside o colegiado. Apenas Sargento Rodrigues (PTB) foi contrário.

Crítica à proposta, Beatriz Cerqueira lembrou que outros governantes e líderes ajudaram o Estado após o rompimento da barragem. ?Os governos de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e outros Estados ajudaram Brumadinho. Israel ajudou Brumadinho, e o Papa Francisco também. Trazer a justificativa de uma tragédia que nos mantêm em luto para justificar uma cidadania não é razoável?, criticou, afirmando que a semana é ?inoportuna? diante da morte de Ágatha.

A parlamentar, que já se posicionava de maneira contrária à homenagem antes da morte da criança, disse que Witzel precisa zelar pela população do Rio de Janeiro. Outros deputados de oposição, a exemplo de Cristiano Silveira (PT) e André Quintão (PT), participaram da audiência e também criticaram o governante fluminense. ?Como vai ficar a imagem de Minas??, questionou, alegando que a ALMG ?não podia manchar a sua imagem.

?Poderíamos fazer uma emenda ao requerimento estendendo a homenagem a Fernando Haddad, Flavio Dino (governador do Maranhão), Camilo Santana (governador do Ceará?, disse, afirmando que a homenagem está sendo utilizada para fazer ?disputa política e ideológica?.

Único a se posicionar a favor da homenagem, Sargento Rodrigues disse que não se pode culpar Wilson Witzel pelos problemas enfrentados pela segurança pública no Rio. ?São problemas que passam por três décadas. Não dá para colocar na conta do Witzel os índices, inclusive de assassinatos de policiais?, afirmou o deputado, que é ligado à categoria da segurança pública.

Mudanças

O debate envolvendo o requerimento vai gerar mudanças na forma como a ALMG concede títulos de cidadão honorários. João Magalhães (MDB) teve uma conversa com o presidente da Casa, Agostinho Patrus (PV), para que sejam estabelecidos critérios para a concessão da homenagem. 

Atualmente, não há requisitos pré-estabelecidos, e nas próximas

semanas os membros da Comissão de Administração Pública deverão definir uma série de exigências para que o Legislativo mineiro possa indicar nomes que se enquadrem no perfil.