Alérgico, garçom morre depois de comer camarão em bufê no Santo Agostinho

O homem sabia que era alérgico ao crustáceo, mas decidiu experimentar o prato com frutos do mar servido durante o evento em que trabalhava

Pixabay/Divulgação


Homem sabia que era alérgico, mas pediu para experimentar o prato
Uma noite de serviço terminou em tragédia para um garçom, em uma casa de festas no bairro Santo Agostinho, região Centro-Sul de Belo Horizonte. Mesmo ciente de sua alergia a camarão, o homem decidiu experimentar um prato com frutos do mar, passou mal e morreu alguns minutos depois de comer, nessa terça-feira (11).  Uma médica, entre as convidadas do evento empresarial, ainda tentou socorrê-lo e, após três tentativas de reanimá-lo, constatou que nada mais podia ser feito. A socorrista à frente do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) apontou que a provável causa da morte foi um choque anafilático - uma reação alérgica grave que, sem tratamento imediato, leva a óbito em alguns minutos.  Garçom conhecia alergia  O principal prato servido aos convidados do encontro era uma paella, comida que leva muitos frutos do mar, entre eles o camarão. A alguns garçons que lá estavam, o homem contou que era alérgico ao crustáceo. Alguns minutos depois da conversa, ele foi até o cozinheiro responsável pelo prato e pediu para experimentar, disse que "iria arriscar, correr o risco da alergia atacar". Crise grave Pouco tempo depois de terminar sua refeição, o garçom começou a passar mal. Segundo funcionários, ele correu para o banheiro e implorou que chamassem o SAMU. Instantes depois, ele deixou o toalete, com a blusa aberta, dificuldade para respirar e vomitando. Quando os paramédicos chegaram, o corpo já estava sem vida, caído sobre o chão. O rabecão o removeu para o Instituto Médico-Legal. A Polícia Militar informou que não conseguiu contato com familiares da vítima. O garçom é natural da Bahia e morava sozinho em Belo Horizonte.