Ipatinga terá Centro para tratamento do autismo

Divulgação


IPATINGA - Cerca de 250 pacientes do SUS de Ipatinga e cidades vizinhas, entre crianças e jovens, deverão ser beneficiadas com a implantação do Centro de Diagnostico e Tratamento do Autismo que funcionará na Unidade I do Hospital Márcio Cunha. A unidade tem como objetivo fazer atendimentos gratuitos àqueles que foram diagnosticados com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). A informação foi repassada por dirigentes da Fundação São Francisco Xavier (FSFX) ao prefeito Nardyello Rocha, na tarde de terça-feira (4). Também estiveram presentes na reunião secretários municipais e vereadores da base aliada do governo.

De acordo com diretor Executivo da FSFX, Luís Márcio Araújo Ramos, o investimento de custeio será da ordem de R$ 3 milhões 760 mil (sendo que R$760 mil para diagnóstico e R$3 milhões para o tratamento), por um período de dois anos. A previsão da Fundação é que a unidade já comece a fazer os atendimentos em diagnóstico ainda este ano. Para isso, a FSFX já tramita o projeto junto ao Ministério da Saúde. “Diariamente a gente se depara com essa situação, e a sociedade de forma em geral tem que aprender a lidar com o autista. Enquanto instituição pública e privada, temos que ter um compromisso de fazer a inclusão dos autistas”, disse.

Luís Márcio enfatizou que o diagnóstico na atenção primária é primordial para que o transtorno seja detectado o quanto antes e assim, os pacientes possam receber o tratamento adequado. “Há dois anos começamos a trabalhar o diagnóstico do autismo, mas só isso não resolve. Às vezes a gente cria um estigma de uma criança com autismo, porque não se sabe que ela precisa de apoio. Então a nossa proposta para Ipatinga e região é dar condições para que a criança receba o diagnóstico e tratamento o quanto antes. É um assunto que envolve saúde, educação e assistência social”, ponderou Luís.

O Centro

O Centro de Diagnostico e Tratamento do Autismo ocupará um espaço de aproximadamente 500 m² e terá toda adaptação necessária para que os atendimentos possam ser realizados. A unidade contará com uma equipe multidisciplinar composta por 21 profissionais, entre médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos Terapeutas Ocupacionais e psicólogos. O Assessor de Relações Institucionais da FSFX, José Carlos de Carvalho Gallinari, lembrou que “o Transtorno do Espectro Autista é uma patologia com sinais e sintomas que se confundem com outras doenças e que precisa ser diagnosticado com assertividade para ser tratado no tempo certo. Por isso a convergência com o poder público é muito importante”, observou.

Rede pública

Atualmente, Ipatinga não possui um Centro especializado em reabilitação para os portadores do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Os atendimentos ofertados pela Secretaria Municipal de Saúde são realizados no Centro de Atenção Psicossocial Infantil (CAPSi), somente em casos de crise aguda, encaminhados por algum serviço público municipal.

De acordo com a administração municipal, a procura pelo serviço de reabilitação é alta, já que se trata de um serviço de alto custo. Somente na área da Educação, das 454 crianças especiais que estudam nas escolas municipais, 214 foram diagnosticadas com autismo, conforme laudos médicos.

Durante a reunião na PMI, o prefeito Nardyello Rocha reforçou que somente a detecção do transtorno nos primeiros anos de vida da criança não é suficiente. “Eu quero que essa detecção seja feita o mais rápido possível, mas se não tiver o Centro para a criança fazer o tratamento teremos um problema de difícil solução. O governo tem total interesse nesse assunto. Com o recadastramento dos munícipes teremos como saber o número de pessoas com autismo. Este projeto também dá a oportunidade de treinar toda a equipe das Unidades de Saúde para encaminhamento para diagnóstico”, disse o prefeito.