Fábio e presidente do Cruzeiro desmentem Professor Wendel

Goleiro celeste disse que não tem interesse em ingressar na política e que seu foco é jogar futebol. O presidente do clube negou conversas oficiais com o deputado estadual

Divulgação/Vinnicius Silva/Cruzeiro


No jogo contra o Santos, pela Copa do Brasil, Fábio pegou três pênaltis
O goleiro Fábio, do Cruzeiro, não gostou de ver seu nome vinculado ao noticiário político. Em seu Instagram, o camisa 1 falou ontem sobre as especulações de que poderia ser candidato a vice-prefeito de Belo Horizonte na chapa do deputado estadual Professor Wendel Mesquita (Solidariedade).

?Nunca falei ou pensei em política, meu foco sempre foi jogar e fazer o melhor a cada dia no meu trabalho. Tenho muito orgulho, e o Cruzeiro me realiza. Usaram meu nome sem me comunicar. Sempre fui uma pessoa aberta para esclarecimentos. O mais fácil e correto caminho seria me perguntar. Nego qualquer conversa com qualquer partido, deputado, prefeito, vereador que seja?, postou no Instagram.

Para desfazer o que poderia ser um mal-entendido, a coluna Aparte conversou com o deputado estadual sobre a publicação. Professor Wendel afirmou que a possibilidade foi levantada junto a dirigentes do clube, que teriam aprovado a indicação e que seriam responsáveis por comunicar a intenção ao jogador. O parlamentar, no entanto, reconhece que nunca falou pessoalmente com o goleiro celeste.

?Nossa conversa tem sido com a diretoria do Cruzeiro. Não posso falar a respeito da nota (do Fábio) porque não conversei com ele. Tenho falado com o presidente (do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá) sobre esse assunto, mas houve esse vazamento e acabou dando na questão da nota?, explicou.

O deputado garantiu que acredita que a chapa ainda pode sair, apesar do clima criado. ?Tivemos duas reuniões com o presidente do Cruzeiro levando essa pauta (de Fábio ser candidato a vice-prefeito na chapa do Solidariedade). Sobre a nota, é uma questão pessoal, e no futuro não posso dizer o que vai ser, mas acredito (na possibilidade), porque está vindo da própria diretoria. Vejo que essa possibilidade é real, mas deixo na mão deles. Foi feito o convite, todos (da diretoria da Cruzeiro) gostaram da ideia e ficaram de fazer a intermediação (com Fábio). Vamos aguardar, com paciência e sabedoria?, completou o deputado estadual.

Disse que disse. As afirmações do parlamentar o colocaram em nova saia justa, desta vez com o mandatário da Raposa. 

Procurado pelo Aparte, Wagner Pires de Sá desmentiu que tenham ocorrido encontros para falar de uma possível filiação e candidatura do arqueiro azul e deixou a questão com Fábio. ?Primeiro, o clube não entra em questões políticas. Agora, isso é do Fábio, se ele quiser ou não é um problema exclusivamente dele. Não posso, como presidente de um clube, impedir. É o livre-arbítrio da pessoa, não existe nada disso oficialmente, só conversa informal. E o Cruzeiro, pelo menos na minha gestão, politicamente está fora?, respondeu o dirigente.