Kate e William fazem voo econômico após serem criticados por usar jatinho

A crítica foi feita pelo príncipe Harry e sua esposa, Meghan Markle; a companhia aérea confirmou que o casal viajou na classe econômica para a Escócia

REUTERS/PHIL NOBLE


Príncipe William e a duquesa de Cambridge, Kate Middleton, pretendem homenagear Lady Di
Kate Middleton, 37, e Príncipe William, 37, foram vistos viajando com os três filhos, George, Charlotte e Louism, para a Escócia em um voo comercial, na manhã da quinta-feira (22). Isso não faria parte do noticiário se não fosse pela crítica que o príncipe Harry e sua esposa, Meghan Markle, receberam por escolher voar em uma jatinho particular há alguns dias. A companhia aérea FlyBe confirmou que o casal viajou na classe econômica para a Escócia, passagem cujo valor é estimado entre 73 e 249 euros (entre R$ 320 e R$ 1.116), segundo reportagem da CNN.  Procurada, a comunicação do palácio de Kensington Palace não quis comentar o assunto. A polêmica contra Harry e Meghan começou no último fim de semana, quando jornal britânico Sun acusou o casal real de ser "guerreiros ecológicos" hipócritas por voarem em jatos particulares apesar de expressarem preocupação com a natureza e a conservação ambiental.
"Dumbo Jet", disse a manchete da edição de domingo (17) do Sun sobre as viagens de Harry e Meghan, com uma foto e uma legenda fazendo piada das "milhas do herdeiro". O cantor Elton John, que cedeu o jatinho ao casal, disse ter ficado "profundamente aflito com o relato distorcido e maldoso da imprensa" sobre a visita deles a Nice na semana passada. John afirmou que ofereceu um jato particular para Harry e Meghan irem à sua casa por motivos de segurança, mas mencionou uma contribuição à entidade Carbon Footprint Ltd, que compensa emissões de carbono financiando projetos ecológicos. Mas alguns ambientalistas disseram que tais viagens deveriam ser afastadas de vez.  "Um avião de carreira é mais de dez vezes mais poluidor do que um trem moderno, e jatos particulares são dez vezes ainda mais poluidores", disse Paul Morozzo, do Greenpeace britânico. "É de importância vital que todos os que voam com frequência reduzam o número de voos que tomam se for para confrontarmos a emergência climática."