Dezesseis presos do presídio de Altamira morreram decapitados

Até o momento, a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará informou que 52 internos foram assassinados

Reprodução


A rebelião aconteceu dentro do Centro de Recuperação Regional de Altamira, no sudoeste do Pará
Dezesseis presos do Centro de Recuperação Regional de Altamira, no sudoeste do Pará, foram cruelmente decapitados dentro da unidade nesta desta segunda-feira (29). Além deles, outros 36 foram mortos de outras formas, sendo alguns por asfixia. Os assassinatos ocorreram devido a uma briga generalizada entre duas facões rivais.

Conforme a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), a rebelião se iniciou por volta das 5h desta madrugada quando presos do Bloco A invadiram o anexo onde estariam internos de uma facção rival. Várias pessoas foram atacadas, sendo que 16 tiveram suas cabeças arrancadas. Em seguida, se iniciou um incêndio no local e várias pessoas morreram asfixiadas.

De acordo com relatório divulgado nesta segunda-feira (29) pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Centro de Altamira tem superlotação, falta de agentes penitenciários e ?péssimas? condições. Atualmente, 33 agentes penitenciários e mantém 343 presos ? mais que o dobro da sua capacidade, de 163 vagas, segundo o conselho. A unidade prisional tem capacidade para 200 detentos, mas era ocupado por 311 presos. Esta é a segunda maior rebelião com mortos do ano. Em maio, uma sequência de ataques nos presídios do Amazonas deixaram ao menos 55 mortos.