Policial é investigado por manter 48 cães maltratados em abrigo de Sabará

Ele está obrigado a adotar medidas emergenciais sob a orientação de um médico veterinário para que os cachorros não passem por maus-tratos novamente

MPMG/divulgação


Um dos cachorros encontrados em abrigo em situação de maus-tratos
Um policial civil está sendo investigado pela corregedoria da corporação por manter 48 cachorros de médio e grande porte em situação de maus-tratos em um abrigo localizado em Sabará, na região Central do Estado. O agente foi conduzido em operação deflagrada nesta quinta-feira (11) pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). O MP não informou a identidade do investigado nem como ele agia. Detalhou apenas que o agente compareceu na sede do órgão, prestou declarações e assinou um Termo de Ajustamento de Conduta. No documento preliminar, ele se obriga a adotar medidas emergenciais sob a orientação de um médico veterinário para que os cachorros não sofram mais maus-tratos. O investigado ainda se comprometeu a entregar os animais para pessoas dispostas a adotar, que serão indicadas pelo Ministério Público. Assim que os cães se recuperarem eles vão ser apresentados pelo MP aos interessados. Situação dos cachorros Os cães receberam atendimentos médicos emergenciais no local tão logo foram descobertos. Além disso, foram realizados exames clínicos e laboratoriais para que fossem verificados o quadro clínico dos animais. O Ministério Público não detalhou os tipos de maus tratos sobre os quais os cães eram submetidos, mas, em uma foto divulgada pelo órgão, é possível ver que um deles está preso a uma corrente e bastante magro. A operação A apuração começou em novembro do ano passado, quando o Ministério Público teve conhecimento do caso. Organizada pela 2ª Promotoria de Justiça de Sabará, a operação contou com o apoio da Coordenadoria Estadual de Defesa da Fauna (Cedef), do Núcleo de Combate aos Crimes Ambientais (Nucrim) e da Central de Apoio Técnico (Ceat) do MPMG. Também participaram dela agentes da Polícia Militar de Meio Ambiente e da Corregedoria da Polícia Civil. Além do policial conduzido, houve cumprimento de mandado de busca e apreensão. Ao todo, foram mobilizados 40 policiais civis e militares, duas promotoras de Justiça, quatro médicos veterinários do MPMG e três da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), além de quatro auxiliares de veterinária. Posicionamento A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Polícia Civil para saber se a corregedoria irá se manifestar sobre o caso e aguarda retorno. Logo que tenha posicionamento, esta matéria será atualizada.