Pai estupra e mata filha bebê de 1 ano; mãe e avó acobertam crime

Há dois anos, outra filha do casal havia morrido de suposta desidratação; polícia resolveu investigar também o caso

Reprodução / Facebook


A pequena Sophia tinha apenas 1 ano e 2 meses
O estupro brutal de uma bebê de apenas 1 ano e 2 meses supostamente pelo próprio pai, com o consentimento da mãe e da avó materna, está sendo investigado pela Polícia Civil do Paraná, onde ocorreu o caso, na cidade de Arapongas. As apurações indicam que Sophia Emanuelly, que deu entrada no hospital já morta e com o ânus dilacerado, pode não ser a única vítima de Roger da Silva Ribeiro.

Há dois anos, outra filha dele com Eduarda da Silva Bernardo morreu, por uma suposta desidratação. Apesar de ter passado tanto tempo, o caso levantou suspeita da corporação apenas depois que o Instituto Médico-Legal (IML) apontou que Sophia teria morrido, na terça-feira da semana passada, vítima de agressões físicas. 

Um novo inquérito será instaurado para apurar também a morte da outra filha. ?Reabrimos o caso para averiguar, já fomos atrás da certidão de óbito para descobrir o que de fato aconteceu?, explicou a delegada Thaís Orlandini Pereira.

O crime

A bebê Sophia foi levada para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da cidade de Arapongas na noite de 18 de junho, com a alegação dos pais de engasgo com leite. A equipe médica constatou diversas lesões no corpo da criança, já sem vida, e acionou a Polícia Militar. 

O pai, a mãe e a avó materna da menina, Maria Aparecida da Silva, foram presos preventivamente. ?As investigações mostram que a criança foi brutalmente estuprada e com indicativos de que o pai cometeu tal barbaridade, sendo que a mãe e a avó foram coniventes, não impediram as agressões. O ânus da criança estava dilacerado, chegando a romper a parede do intestino?, disse a delegada. 

Frieza da família

Ao negarem o estupro da bebê, os familiares da vítima teriam demonstrado frieza, segundo a delegada responsável pelo caso, Thaís Orlandini Pereira. 

"Ninguém confessa nada nem chora. São apáticos, a mãe e a avó não demonstram nenhum sentimento. Dá a impressão de que eles combinaram uma versão, porém em alguns pontos eles se contradizem?, disse. A delegada acredita ainda que a prática era frequente. O inquérito será concluído em dez dias. 

Histórico criminoso

Se confirmado, esse não será o primeiro crime cometido pelo pai da bebê Sophia. Segundo a Polícia Civil do Paraná, já existia um mandado de prisão em aberto por tráfico de drogas contra Roger da Silva Ribeiro. Desta vez, ele pode responder por estupro de vulnerável e homicídio qualificado. 

Outras filhas

Além de Sophia, o casal tem ainda uma filha de 4 anos, que, segundo a delegada, também pode ter sido vítima de estupro, e uma bebê de apenas 22 dias. Por questão de segurança, a Policia Civil não informou onde as duas estão e deverão permanecer durante as investigações.