PM suspeito de invadir casa é perseguido a tiros por colegas em Contagem

O militar dirigiu sob a mira de disparos de arma de fogo. Baleado, ele morreu no hospital

Leo Fontes/O Tempo


Cápsulas foram encontradas nas vias do bairro onde aconteceu a perseguição
Leo Fontes/O Tempo


Moradores ficaram assustados com o tiroteio durante a noite
Leo Fontes/O Tempo


O homem só parou o veículo quando derrubou uma placa
Um policial militar foi perseguido e morto por colegas da própria corporação ao se tornar suspeito de invadir uma residência e protagonizar uma fuga que deixou moradores assustados mo fim da noite desse sábado, no bairro Chácara Novo Horizonte, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a Polícia Militar (PM), o cabo Clerio Silva Resende desobedeceu as ordens de parada e dirigiu perigosamente por várias ruas sob a mira de dezenas de disparos de arma de fogo. Ele só parou depois de bater em uma placa de trânsito. Baleado, ele foi encaminhado ao Hospital Municipal de Contagem, onde passou por cirurgia.  A PM foi acionada no fim da noite por uma pessoa que pedia ajuda diante de ameaças de um homem armado que tentava invadir a residência dela. Ao chegarem no local, os agentes encontraram apenas o carro vazio, mas minutos depois Resende saiu da casa e reagiu à abordagem, acelerando o veículo contra os policiais.  
Ainda segundo a corporação, os PMs reagiram atirando ao menos cinco vezes contra o motorista, que seguiu em alta velocidade pelas ruas do bairro. Durante a fuga, outra viatura tentou interceptar o veículo. Policiais teriam disparado outras 39 vezes contra o suspeito, mas o carro só parou depois que o motorista perdeu o controle da direção em uma curva da rua Três e bateu em uma placa de sinalização de trânsito.  "Acordei com os disparos. Foi muito tiro, uns 15 só aqui na rua", contou Simão Alves Abreu, 21, que testemunhou o momento em que os policiais retiraram o suspeito de dentro do carro. "Fizeram um cerco na rua de cima também. Eram muitos policiais. Levamos um susto", relatou  a dona de casa Vanilde Muniz de Almeida, 30, que mora em frente ao local onde Resende bateu o carro. 

Segundo os militares, o suspeito desceu do carro sangrando e, só então, se identificou como policial militar. Aos colegas, ele disse que tentava resolver um assunto que envolvia uma mulher. Por meio dos documentos do suspeito, a PM confirmou que Resende trabalhava no 35° Batalhão, em Santa Luzia, na Grande BH. 

Ferido, o homem passou por cirurgia no hospital municipal, mas morreu no início da manhã deste domingo. Armas dos policiais que atenderam a ocorrência e também do suspeito foram apreendidas.

Investigação
De acordo com o major Flávio Santiago, porta-voz da PM, Resende não tinha histórico de problemas dentro da corporação. Ainda segundo ele, a Polícia Judiciária Militar investiga o que levou o cabo a não obedecer a ordem de parada e também a conduta dos policiais responsáveis pela operação. "A Polícia Militar já faz a apuração, devidamente acompanhada pela corregedoria para termos mais detalhes que precisam ser esclarecidos" declarou o major.