Receita Federal fez buscas no prédio da Andrade Gutierrez

Executivos e acionistas da empresa são suspeitos de envolvimento com um esquema de desvio de dinheiro da Cemig

Cristiane Mattos/O Tempo


Um dos alvos da operação é a multinacional Andrade Gutierrez
Depois de cumprir mandados de busca e apreensão na sede da Cemig, no bairro Santo Agostinho, na zona Sul de Belo Horizonte, e na casa de um ex-sócio de um grupo de comunicação, a Receita Federal e a Polícia Federal recolhem, ainda na manhã desta quinta-feira (11), documentos no prédio da construtora Andrade Gutierrez, na avenida do Contorno, região Centro-Sul da capital. 

Executivos e acionistas da empresa, bem como da Cemig, da Renova e da Casa dos Ventos são suspeitos de envolvimento com um esquema fraudulento de desvio de dinheiro da companhia de energia. Os valores desviados eram convertidos em espécie e distribuídos a diversas pessoas. 

Investigação de fraude

A ação é um desdobramento da Operação "E o Vento Levou", quarta fase da Operação "Descarte", e o objetivo é apurar um desvio de dinheiro milionário da Cemig por meio de um aporte de R$ 850 milhões na empresa Renova Energia SA, com posterior repasse de parte deste recurso por meio do superfaturamento de um contrato com a empresa Casa dos Ventos e escoamento dos valores através de transferência a várias empresas. 

Nesta quinta-feira (11), a Polícia Federal e a Receita, em um trabalho conjunto que também conta com a participação do Ministério Público Federal, cumpre 26 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça de São Paulo para os endereços das pessoas envolvidas na investigação. Fora do Estado, os trabalhos também se expandem para o Rio de Janeiro, São Paulo, Mogi das Cruzes e Taubaté. 

Os investigados responderão pelos crimes de sonegação fiscal, peculato, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, associação criminosa e falsidade ideológica.

Resposta da Andrade Gutierrez

Por intermédio de sua assessoria de imprensa, a Andrade Gutierrez se manifestou sobre a operação. Confira na íntegra:

"A Andrade Gutierrez informa que ainda está buscando informações completas do que se trata a operação de hoje. No entanto, a empresa faz questão de afirmar que já demonstrou reiteradamente sua disposição de colaboração com a Justiça e esclarecer fatos ocorridos no passado por meio dos diversos acordos firmados com o Ministério Público Federal (MPF), Controladoria Geral da União (CGU), Advocacia Geral da União (AGU) e CADE. A companhia segue acompanhando a operação em andamento e se coloca à disposição para ajudar a esclarecer os fatos relacionados. A empresa reitera ainda seu apoio a todo tipo de ação que tenha como objetivo combater a corrupção."

Resposta da Cemig

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Cemig encaminhou nota a respeito da operação. Confirna na íntegra:

"A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) informa que, na manhã desta quinta-feira (11/4), agentes da Polícia Federal e da Receita Federal estiveram na sede da empresa em Belo Horizonte para cumprir mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça Federal de São Paulo em razão de indícios da prática de desvios de recursos em prejuízo da Cemig, em investigação de fatos ocorridos anteriormente a 2015, na empresa Renova, com sede na capital paulista.

A Cemig esclarece que está em total colaboração com as autoridades e que também tem interesse na rápida evolução dessas investigações. A empresa reforça o seu compromisso com a transparência e que manterá o mercado e a sociedade informados sobre a evolução desses fatos ocorridos no passado."

Matéria atualizada às 13h46