Envolvidos em desastre da Vale em Brumadinho retornam à prisão nesta quinta

Para o delegado chefe do Dema, Bruno Tasca, a decisão do Tribunal de Justiça, decisão foi um desdobramento das atividades de força-tarefa

Os 13 funcionários da Vale e da empresa alemã TÜV SÜD se apresentaram nesta quinta-feira (14) no Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Meio Ambiente da Polícia Civil, na região Centro-Sul de Belo Horizonte (Dema), depois que a Justiça restabeleceu as prisões temporárias deles. No fim da manhã desta quinta-feira (14), 11 deles já tinham se apresentado à polícia. (Leia aqui)

Para o delegado chefe do Dema, Bruno Tasca, a decisão do Tribunal de Justiça, que foi um desdobramento das atividades de força-tarefa, foi imprescindível para as investigações. ?Há indícios suficientes de autoria, a decisão só reforça todos os argumentos?, afirma. Ele destacou que, se os investigados permanecessem em liberdade,  poderiam comprometer as investigações. ?Assim evita-se que sejam combinadas teses, combinadas responsabilidades?, diz.

 

De acordo com o delegado, na quarta-feira (13), ao fim do julgamento que determinou o restabelecimento das prisões, os próprios advogados  entraram em contato com a Polícia Civil para que os envolvidos se apresentasse de forma espontânea. ?O Tribunal de Justiça julgou os méritos dos habeas corpus que haviam sido impetrados e nós cumprimos os mandados de prisão expedidos novamente?, diz. O prazo para se entregarem era até o meio dia, mas os funcionários da TÜV SÜD, que vieram de São Paulo, se apresentaram por volta das 15h. 

Todos já tinham sido presos após o rompimento da barragem I da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na região metropolitana da capital, ocorrido no dia 25 de janeiro. O primeiro grupo de funcionários da Vale e dois engenheiros da TÜV SÜD, que atestaram a segurança da barragem, foram presos no dia 29 de janeiro, quatro dias após o desastre, e soltos no dia 5 de fevereiro. O segundo grupo foi detido em 15 de fevereiro e liberado dia 27 do mesmo mês. Eles serão encaminhados o sistema prisional para cumprir o restante dos dias da prisão temporária, mas pode haver prorrogação, em caso de determinação judicial.

Os investigados serão encaminhados ao sistema prisional que Nelson Hungria e Estevão Pinto e as declarações prestadas ainda estão sendo analisadas pela força-tarefa.