Disputa interna no MEC derruba número 2 da pasta, que deve ter evangélica

Iolene Lima, diretora de uma escola batista evangélica em São José dos Campos, deve ser sucessora de Luiz Antonio Tozi

A crise interna dentro do Ministério da Educação fez com que mais um nome caísse. O ministro Ricardo Vélez Rodríguez demitiu o secretário-executivo na pasta, Luiz Antonio Tozi. Iolene Lima, diretora de uma escola batista evangélica em São José dos Campos, deve ser sua sucessora. Até agora, ela ocupa o cargo de diretora de formação do MEC.

Conforme noticiou o blog da Renata Cafardo, do Estadão, funcionários do MEC ligados ao filósofo Olavo de Carvalho foram afastados na semana passada e passaram a criticar Tozi, que teria perfil técnico e tentava tirar o viés ideológico da pasta. 

Em sua conta no Twitter, Vélez disse que se tratava de uma continuidade das ?mudanças necessárias?. E agradeceu ?a Luís Antônio Tozi pelo empenho de suas funções no MEC?.


  Ricardo Vélez Rodríguez havia anunciado que Rubens Barreto da Silva seria o secretário-executivo. Mas pressões internas impediram a promoção, uma vez que ele é amigo de Tozi. Assim, foi escolhida Iolene, que também foi indicada por Tozi, mas tem um perfil que agrada ao grupo mais conservador. Iolene dirigia o Colégio Inspire, que em seu site diz que ?apresenta todos os conteúdos curriculares dentro da cosmovisão bíblica?. Entre os objetivos da escola está a ?formação integral do ser humano?  para cumprir ?os propósitos de Deus no mundo?. A futura secretária é pedagoga, com especialização em gestão. O colégio é mantido pela Primeira Igreja Batista de São José dos Campos, que mudou de nome para Igreja da Cidade.