Alunos do Cefet-MG desenvolvem máquina que ?imprime? chocolate

O sucesso do projeto é tanto que os estudantes foram selecionados para uma importante feira de ciências na USP

Radija Ohana/Divulgação


A impressora 3D foi adaptada para 'imprimir' chocolate
Radija Ohana/Divulgação


A máquina 'imprime' chocolate em qualquer formato e em qualquer quantidade
Elisa Marcondes/Divulgação


Com a máquina, é possível imprimir o doce em qualquer formato
Uma máquina que imprime chocolate em quantidade indefinida, em qualquer formato, por toda a eternidade poderia ser o início perfeito para um desenho animado. No entanto, a realidade do projeto deixa a história ainda mais saborosa. Isso porque alunos do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) desenvolveram uma impressora 3D capaz de derreter o chocolate e imprimi-lo da forma como quiserem. O mentor do projeto é o professor do curso de Eletrônica, Ronan Rossi, que já trabalha há alguns anos com o desenvolvimento de estruturas que tem alimentos como matéria-prima. ?São os materiais mais acessíveis e desde 2016 resolvemos fazer um estudo relacionado ao chocolate?, conta. De lá para cá, os estudantes desenvolveram uma seringa que aquece, derrete e expele o chocolate, para que ele seja moldado em qualquer formato. ?Depois de desenvolvida a seringa, nós a adaptamos em impressoras 3D, que são máquinas de código aberto?, ou seja, é possível criar qualquer coisa a partir do código de uma dessas impressoras. O sucesso do projeto foi tanto que os alunos foram selecionados para participar da 17ª Feira Brasileira de Ciências e Engenharia, que acontece entre os dias 18 e 22 de março, na Universidade de São Paulo (USP). O professor conta que apesar de muito animados, os estudantes estão enfrentando certos desafios para funcionar a máquina, uma vez que ela ainda está em fase de testes. ?Uma grande preocupação é que ela não é climatizada, ou seja, durante dias mais quentes, como os dessa semana, é mais difícil que o chocolate forme a camada de baixo e se solidifique?, explicou. Viabilidade Apesar de ser novidade no mercado mineiro, máquinas que imprimem chocolate já estão disponíveis ao redor do mundo, no entanto são pouquíssimos conhecidas, uma vez que, mesmo para um grande chocólatra, não é muito viável adquirir o aparelho que chega a custar em torno de R$ 10 mil. Ainda que em fase avançada, o projeto dos alunos do Cefet ainda precisará ser aperfeiçoado. ?Estamos em fase de testes e, no momento, enfrentamos o grande problema em relação ao clima. Também precisamos trabalhar questões relacionadas à mecânica da estrutura. É trabalho para muitos anos ainda?, comenta Ronan.