Jovem tem dedos decepados por roubar em área de atuação de facção criminosa

Quadro adolescentes cortaram três dedos do jovem porque disseram que ele estava atraindo policiamento para a área de tráfico de drogas

Um jovem de 19 anos foi torturado por uma hora e teve os dedos decepados por quatro adolescentes em Coronel Fabriciano, no Vale do Aço, interior de Minas Gerais, na madrugada desta terça-feira (12).

De acordo com a Polícia Militar, o crime ocorreu porque o jovem estava furtando em bairros de atuação da facção criminosa conhecida como "Bonde do Manuel Maia" e atraindo policiamento para o local. Os adolescentes, segundo a polícia, fazem parte dessa facção criminal e disseram que os furtos estavam atrapalhando o tráfico de drogas na região. 

O jovem torturado contou que era o tempo todo ameaçado com armas e que, por causa disso, não teve coragem de acionar a polícia. Ele teve três dedos da mão esquerda cortados pelos suspeitos. Além de levar vários chutes e socos. 

O crime só foi descoberto no hospital Doutor José Maria de Morais  quando o jovem foi levado para atendimento. Na unidade de saúde ele contou o que tinha acontecido e a PM foi acionada. A namorada da vítima estava com ele e contou que já tinha sido ameaçada pelos adolescentes suspeitos.

Os militares foram até uma casa na rua Corintios no bairro Judith Bhering, onde o jovem foi torturado, e encontraram os adolescentes, que tentaram fugir por um córrego, mas foram apreendidos e encaminhados a delegacia de Polícia Civil da cidade.

Na casa foi encontrado um caixote que teria sido para decepar os dedos da vítima. Havia marcas de sangue na residência onde foram apreendidas também drogas e armas.

Os adolescentes disseram que a vítima estava fazendo "coisa errada" e que ele foi "cobrado pelo vacilo". A vítima foi abordada quando saia de casa para comprar cigarro e foi obrigado a ir até a casa onde foi torturado. Todos estavam de bicicleta. 

O jovem estava praticando furtos nos Bairros Manoel Maia, Frederico Ozanan, Judith Bhering, Caladão, Jardim Primavera, Contente e São Cristóvão. Neste locais a facção é responsável pelo tráfico de drogas e homicídios. A ordem para torturar o jovem de 19 anos veio do líder da facção conhecido como "patrão".