Doações de R$ 15 mil para quem teve trabalho comprometido em Brumadinho são suspensas

Defensoria Pública alegou que dinheiro para comerciantes, pescadores e produtores rurais poderia dar margem para que as pessoas não recebessem indenizações futuras

As doações de R$ 15 mil que seriam destinadas às pessoas que tiveram suas atividades profissionais afetadas direta e indiretamente pelo rompimento da Barragem I da Minas do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, foram temporariamente suspensas a pedido da Defensoria Pública de Minas Gerais. 

De acordo com o defensor público do estado, Rômulo Luis de Carvalho, o documento, que daria o dinheiro a comerciantes, pescadores e produtores rurais, poderia dar margem para que as pessoas não recebessem indenizações futuras. "Analisamos a documentação e a nossa avaliação é que essa doação pudesse ser entendida futuramente como uma compensação, já serviria como uma indenização. Não podemos orientar e dar segurança para que essas pessoas assinem esse documento do jeito que está. Nossa função é orientar que essas pessoas recebem agora uma doação e também uma indenização futuramente por tudo que perderam", ressaltou. 

Segundo a Vale, as doações estão suspensas até a próxima quinta-feira (14), dia em que acontece a audiência entre a empresa e a Defensoria do Estado. Ainda de acordo com a mineradora, as doação no valor de R$ 50 mil destinada aos moradores que tiveram suas propriedades atingidas pela lama começaram a ser realizados normalmente nesta segunda-feira (11).