Construtora nega falta de equipamento em obra onde operário morreu

Após deslizamento de terra, operário morreu; Defesa Civil disse que falta de equipamento de segurança causou morte

A Construtora Terrazzas responsável pela obra onde um um operário morreu soterrado no bairro Funcionários, região Centro-Sul de Belo Horizonte, nesta quarta-feira (5), informou nesta quinta-feira (6), que o funcionário estava com todos os equipamentos de segurança. 

Nesta quarta a Defesa Civil de Belo Horizonte informou que a falta de um equipamento de proteção individual (EPI) pode ter provocado o soterramento do funcionários que cavava o tubulão. A construtora negou a informação. 

"Todos os equipamentos de proteção, individuais e coletivos, estavam sendo utilizados pelos trabalhadores que atuavam na escavação ?seguindo as normas regulamentadoras NR6, NR18 e NR33?,  conforme foi atestado pelas autoridades competentes presentes no local", informou a construção. 

A vítima de 37 anos morreu após um deslizamento de terra. Ele ficou seis horas soterrado e foi retirado já sem vida. 

Veja nota completa da construtora:

A informação é da Defesa Civil da capital, que acompanha os trabalhos do Corpo de Bombeiros para localizar o trabalhador de 37 anos. 

Em relação a informações divulgadas sobre acidente ocorrido ontem (5 de dezembro) em uma obra no bairro Funcionários, a construtora esclarece o seguinte:

 - todos os equipamentos de proteção, individuais e coletivos, estavam sendo utilizados pelos trabalhadores que atuavam na escavação ?seguindo as normas regulamentadoras NR6, NR18 e NR33?,  conforme foi atestado pelas autoridades competentes presentes no local;

- não houve tráfego de máquina pesada perto do local do acidente, o que foi confirmado pelos profissionais responsáveis e demais trabalhadores presentes na obra;

- diferentemente do que foi veiculado, não era exigida a utilização do ?encamisamento? durante a escavação, conforme projetos, relatórios técnicos e laudo de estabilidade do solo.

Portanto, o que houve foi uma fatalidade, pois, infelizmente, o risco é inerente à atividade da construção. No entanto, a construtora ressalta que mantém rigorosa política de segurança e bem-estar de todos os colaboradores, diretos ou indiretos.

Ao longo dos últimos 15 anos, consolidou-se como uma das referências em segurança do trabalho no setor da Construção Civil, a partir de um rigoroso controle da utilização correta de todos os equipamentos de proteção e adoção de práticas e iniciativas inovadoras.

Em relação ao acidente, a equipe técnica da empresa está prestando todas as informações às autoridades competentes para a rápida apuração do caso.

 A empresa informa que lamenta profundamente o acidente que, infelizmente, vitimou o profissional Cleiton Pereira da Silva, contratado de uma prestadora de serviços. Afirma também que mantém seu compromisso de prestar amparo necessário à família da vítima neste momento tão difícil. A empresa está em luto e agradece as manifestações de solidariedade que está recebendo.