Analistas discutem rejeição a auxílio

Os resultados foram apresentados na edição de segunda-feira (26) de O TEMPO e abriram um novo conjunto de dados da pesquisa Minas no Brasil de 2018


Em entrevista ao programa Café com Política, na rádio Super Notícia FM, a socióloga Adriana Piedade, diretora de pesquisas do Grupo Mercadológica, e o cientista político Adriano Cerqueira analisaram a rejeição do eleitorado do Estado a benefícios como o auxílio-moradia de R$ 4.377,73 pago a políticos, juízes e membros do Ministério Público (MP).

Os resultados foram apresentados na edição de segunda-feira (26) de O TEMPO e abriram um novo conjunto de dados da pesquisa Minas no Brasil de 2018.

Adriana Piedade afirma que os dados sobre o auxílio-moradia ? que apontam o fato de 96,3% dos mineiros desaprovarem o pagamento dessa verba para parlamentares e 92,8% para juízes e promotores ? foram dos poucos temas em que não houve polarização ?Esse tema (auxílio-moradia) teve uma rejeição muito grande e essa polarização deixou de existir. Ou seja, é uma demanda de fato da população brasileira, na qual a grande maioria rejeita fortemente esses benefícios e esses salários, que, por mais que estejam na lei, são rejeitados?, afirmou.

Ela ainda explicou que esse alto índice de reprovação pode se dar porque, no dia a dia, a população não recebe o retorno de serviços públicos. ?Eles estão lá em cima, estão ganhando uma série de privilégios, e o retorno que a população tem da política hoje é muito baixo?, analisou Adriana.

Já Adriano Cerqueira avalia que as autoridades contribuem para tal rejeição constatada na amostragem, uma vez que se negam levar uma vida mais simples. ?Nos últimos anos, o comportamento das autoridades está um pouco abusivo. Eu brinco que parece que estão virando extraterrestres. A gente não vê, como no interior é comum, prefeito, vereadores andando na cidade. Acho que viver uma vida mais comum, andar mais, usar o transporte coletivo até para sentir o problema, seria importante para as autoridades. Eles estão assumindo comportamento de celebridade?, declarou.