Temer: Meirelles precisa crescer

Presidente reafirma a ministro que não é candidato, mas pondera que MDB é partido 'complexo'


Brasília. O presidente Michel Temer afirmou ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que ele precisa melhorar seu desempenho nas pesquisas caso queira ser o candidato do MDB ao Planalto. Temer e Meirelles conversaram sobre o cenário eleitoral no último fim de semana, e a ideia do ministro era comunicar ao presidente seu desejo de ser o nome do MDB nas eleições de outubro.

Auxiliares de Temer confirmaram que o ministro deu seu recado e que o presidente ouviu ?com atenção? e respondeu ?com educação? sobre a necessidade de o chefe de sua equipe econômica se mostrar mais viável nas pesquisas até abril ? quando precisa deixar o cargo caso queira concorrer às eleições ?, além de convencer o partido de que é o melhor nome para a sucessão.

Meirelles tenta articular sua candidatura ao Planalto, mas ainda registra apenas 2% das intenções de voto, segundo o Datafolha. O ministro não tem o apoio de seu partido, o PSD, que deve se aliar ao PSDB em troca de arranjos estaduais, mas tem conversado sobre se filiar ao MDB.

O presidente ponderou ainda, segundo auxiliares, que seu partido é ?complexo? e ?complicado?, composto por políticos com projetos pessoais e locais, e que é preciso convencer os caciques de que Meirelles é a melhor opção. O presidente do MDB, Romero Jucá (RR), tem conversado com o ministro sobre a possível filiação e dito que ele é um ?bom nome? para o posto.

Assessores disseram que na conversa com Meirelles o presidente reiterou seu discurso público de que não é candidato à reeleição, mas que o governo apoiará um nome ao Planalto. A decisão do ministro em falar com Temer de forma mais direta sobre eleições se deu no momento em que suas articulações têm sido asfixiadas pela sombra da possível candidatura do presidente, que ganhou mais fôlego após o decreto de intervenção federal na segurança do Rio.

Apesar da negativa pública, Temer passou a considerar a hipótese de ser candidato e pediu cautela aos auxiliares mais entusiasmados para esperar os efeitos eleitorais positivos que a intervenção poderia trazer ao governo. Aliados dizem que Meirelles não vai disputar com o presidente, pois sabe que sua viabilidade eleitoral depende do apoio de Temer.

Desejo. Na segunda-feira (26), Meirelles deu mais uma demonstração de seu interesse em ser candidato. Ele compartilhou uma postagem em sua rede social em que disse ser a ?hora de devolver ao povo brasileiro um pouco de tudo aquilo que ele me proporcionou?. Um fator que dificulta a vida do ministro é a dificuldade da aprovação da reforma da Previdência, uma de suas principais plataformas. Com votação marcada para o último dia 19, a questão foi adiada indefinidamente por conta da intervenção no Rio, e não há previsão de que ela possa ser votada até o período eleitoral.

Também na segunda-feira, em entrevista à rádio Bandeirantes de Porto Alegre, Meirelles afirmou que existem outros partidos, além do PSD, em contato sobre a possível candidatura. Ele disse que tem tido conversas ?amigáveis? com sua sigla sobre as eleições, mas sinalizou que há convites de outras legendas: ?A decisão vai ser tomada ao redor do dia 7. Não há razão para precipitação?.