Motofretistas serão obrigados a usar rotativo digital em BH

Novas regras para a categoria vão valer a partir de 16 de outubro, após publicação de portaria

Neste mês, o rotativo digital de Belo Horizonte vai substituir, definitivamente, os talões de papel e passará a ser obrigatório também para motofretistas ? motociclistas com placa vermelha ?, que, até então, não tinham que documentar a permanência nas vagas exclusivas para eles. Ainda haverá publicação de portaria regulamentando a ampliação da regra para a categoria, mas a BHTrans informa que a regra começa a valer a partir do dia 16. Os demais motociclistas continuam livres dessa obrigatoriedade.

?Agora, vamos poder controlar a permanência máxima das motocicletas com placa vermelha nas vagas, que é de até uma hora?, esclarece o diretor de sistema viário da BHTrans, José Carlos Mendanha Ladeira. Segundo ele, os condutores desses veículos não precisarão pagar pelo rotativo. Mas caberá multa de R$ 127,69, além da remoção do veículo, caso eles não cumpram a nova regra.

Outra mudança prevista para este mês é a interrupção da distribuição dos talões do rotativo a partir de 26 de outubro. Mas quem ainda tiver o Faixa Azul impresso após essa data poderá usá-lo por tempo indeterminado. ?O combinado foi a convivência dos dois tipos de talão (papel e digital) para que a cidade pudesse se adaptar. Tivemos 120 dias, previstos em contrato, para o fim da comercialização do talão de papel. O que acontece agora é que vamos parar de distribuí-los nos postos de venda. Mas quem tiver estoque das folhas pode ficar tranquilo, porque elas vão continuar valendo?, diz Ladeira.

Temor

Da forma como está sendo implantada, a extensão do rotativo digital para motofretistas não é bem vista pela categoria. Para eles, a medida vai atrasar o serviço e ser motivo para multa.

?Antes não tinha burocracia nenhuma. Agora, vamos ter que parar o trabalho para incluir as informações no aplicativo. Se, por causa da correria ou por não ter internet na hora, um motofretista não fizer isso e for pego por um guarda, vai ser multado?, afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Motociclistas de Minas Gerais (Sindimoto-MG), Rogério dos Santos Lara.

Segundo José Carlos Mendanha Ladeira, o objetivo é garantir que as vagas sejam ocupadas pelo prazo máximo de uma hora. A cidade tem 6.900 motofretistas e 573 vagas para a categoria.

Para o especialista em transporte e trânsito Márcio Aguiar, a utilização de rotativo digital é positiva, mas deveria ser mais bem planejada: ?Era preciso um prazo maior para as pessoas de adequarem?.

 



Novo sistema está em estudo



Apesar de a implantação do sistema ter cumprido os prazos preestabelecidos, a correção das falhas não aconteceu na mesma velocidade. O aplicativo ainda não é capaz de detectar, por exemplo, que o motorista não mudou de vaga no tempo previsto. Ou seja, a tecnologia não está cumprindo sua principal função, que é garantir a rotatividade.

O diretor de Sistema Viário da Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), José Carlos Mendanha Ladeira, admite a impossibilidade de fiscalizar a permanência na mesma vaga por mais tempo do que o previsto unicamente por meio do aplicativo. ?Hoje não tem jeito?, afirma. Para detectar, segundo ele, seria necessária a presença constante de agentes onde há a obrigatoriedade de uso do crédito digital.

Todavia, de acordo com Ladeira, o órgão de trânsito está desenvolvendo um sistema que vai usar coordenadas de GPS para identificar o período de ocupação da vaga pelo motorista. O diretor, no entanto, não informou uma data para a implantação da solução em estudo.

Saiba mais

Comercialização

Belo Horizonte tem, atualmente, 412 postos fixos de venda do rotativo digital. Até 26 de outubro deste ano, deverá ter 700 locais, segundo a BHTrans.

Adesão

Até o momento, 55% dos motoristas que usam rotativo na capital mineira não aderiram à plataforma.