Mobilidade Urbana: Prefeitura pede saída da linha férrea do perímetro urbano

O pedido de reposicionamento foi protocolado pelo prefeito André Merlo durante audiência pública realizada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em Ipatinga

fato que a linha férrea trouxe progressos para a região, mas também limitou a mobilidade urbana em Governador Valadares e aumentou a possibilidade de acidentes em função da falta de proteção em setores da área urbana. Diante disso, no último dia 12, o prefeito André Merlo protocolou junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) um pedido para que ela seja retirada da área central.

A Estrada de Ferro que liga Vitória a Minas (EFVM) corta a cidade de Governador Valadares, passando por 58 quilômetros do perímetro urbano, sendo 22 deles no Centro. Mais do que transportar pessoas, minério e produtos agrícolas entre dois Estados, ela faz parte da história e do desenvolvimento de Governador Valadares.

Os registros dão conta de que a primeira máquina da EFVM começou a operar na cidade em agosto de 1910 passando pela avenida Brasil, próximo a Catedral e a 1ª Igreja Presbiteriana. Em 1948, a antiga estação foi desativada e uma nova foi construída onde é hoje; no final da rua Belo Horizonte, na Praça João Paulo Pinheiro, mais conhecida como Praça da Estação.

Com a transferência da linha férrea para a área próxima ao anel rodoviário, Valadares espera melhorar a mobilidade urbana, a segurança de toda a população e, ainda, integrar os transportes ferroviário, rodoviário e aeroviário. “Nosso pedido é o de transferi-la da área central para área próxima ao anel rodoviário, mantendo-a, contudo, interligada a um terminal intermodal que possibilitará sua integração com a rodovia e com o tráfego aéreo”, informou o prefeito.

Divulgação/ PMGV


ANTT
O pedido de deslocamento da linha férrea foi protocolado por meio de ofício, durante uma audiência pública realizada pela ANTT, no dia 12 deste mês, em Ipatinga. Nela foram tratados assuntos como a renovação da concessão da Estrada de Ferro Vitória-Minas (EFVM), aspectos jurídicos, o aumento na frequência de trens de passageiros na cidade, o repasse da área da linha férrea ao município e seu reposicionamento – que vai garantir benefícios para toda a população e o avanços para a cidade.

“Desde que a cidade abraçou a EFVM, os problemas são enormes e a Vale sabe disso. São diversas intervenções como viadutos, passarelas, passagens de nível...então o nosso grande pleito, sem perdermos a possibilidade de termos um terminal intermodal, é reposicionar a linha férrea, como foi feito em 1948, para que ela saia do Centro da cidade, favorecendo assim a mobilidade urbana e aumentando a segurança, também para que a Vale possa trabalhar, sempre pensando no desenvolvimento regional que Valadares lidera. Também é preciso aumentar a frequência do trem de passageiros que beneficia tanto nossas comunidades. A linha férrea também deve ser indutora de desenvolvimento”, reforçou o prefeito André Merlo.

É a Prefeitura se empenhando para trazer mais desenvolvimento para a cidade, do jeito que o mineiro gosta; de “trem”.