BH não tem a tarifa de ônibus mais cara do país

Porto Alegre (RS) e Curitiba (PR) superam Belo Horizonte

Ao contrário do que foi publicado nesta terça-feira (31) em O TEMPO, Belo Horizonte não tem, atualmente, a tarifa de ônibus mais cara entre as capitais do país, como aconteceu em janeiro de 2017, quando o bilhete passou de R$ 3,70 para R$ 4,05.

Na reportagem ?Tarifa aumentou 103% em 10 anos?, O TEMPO usou como fonte o balanço divulgado pelo Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP), organização sem fins lucrativos sediada em Nova York. Entretanto, o estudo, feito entre dezembro de 2017 e janeiro de 2018, não levou em consideração reajustes aplicados em outras capitais.

Neste contexto, Porto Alegre (RS), onde o bilhete custa R$ 4,30, e Curitiba (PR), que tem tarifa a R$ 4,25, superam Belo Horizonte com o preço de passagem mais caras do país. Em Florianópolis (SC), a passagem, que é paga com o cartão específico, custa R$ 3,99, mas em dinheiro, ela sobe para R$ 4,20. 

Neste ano, BH não teve reajuste na passagem por determinação do prefeito Alexandre Kalil (PHS), que aguarda o resultado de uma auditoria nas contas da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) e de empresas.