Pesquisa indica que eleitor mineiro aprova a condenação de Lula

Dois em cada três entrevistados no Estado indicam que resultado foi justo


A maioria do eleitorado mineiro considera justa a condenação em segunda instância imposta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), acredita haver provas de que ele cometeu os crimes e pensa que o petista não sofre perseguição da Lava Jato. Os resultados são da pesquisa Minas no Brasil de 2018, encomendada pelo jornal O Tempo

De acordo com os dados coletados pelo Grupo Mercadológica, 65,3% dos pesquisados apontam que a condenação a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro é justa. Outros 34,7% dos eleitores do Estado, porém, consideram que o resultado do julgamento foi injusto.

Quando a pergunta é se havia provas suficientes para a condenação, os índices variam um pouco, pois 11,8% dos pesquisados dizem não saber ou não quiseram responder. Enquanto isso, os que acham que havia provas são 60,2%, e os que discordam, 28%.

O índice dos que acreditam que o triplex no Guarujá, uma das vantagens que a Justiça considerou ter sido recebida da OAS, é ou era do ex-presidente Lula é maior: alcança 62,7%, enquanto apenas 19,3% pensam de forma diferente. Nesse caso, 17,9% dos eleitores não souberam ou não quiseram responder.

Nem todos os que disseram que o apartamento era de Lula, no entanto, avaliam que o bem era fruto de corrupção. A maioria, porém, 90,4% dos que associaram o imóvel ao ex-presidente, considera que o triplex era fruto dos ilícitos. Outros 5% dizem que não, e os demais 4,5% não souberam ou não responderam.

Os mineiros também não acham que o ex-presidente é perseguido pelos investigadores da Lava Jato. Esse é um dos principais argumentos políticos do PT para a manutenção da candidatura do petista ao Palácio do Planalto. O número dos que concordam com essa tese, porém, é mais expressivo do que nas demais questões. São 39% os que acham que Lula é perseguido. Outros 55,4% pensam que não há perseguição, enquanto 6% do universo da pesquisa não sabia ou não respondeu.

O eleitorado também é a favor da prisão de Lula, é contra sua participação nas eleições e apoia a Lava Jato. Os índices, em geral, mostram que o ex-presidente tem mais força entre as mulheres, entre os mais velhos (45 anos ou mais) e nas classes de renda C, D e E. Por outro lado, homens, jovens de 16 a 34 anos e as classes A e B são mais duros com o petista em todas as respostas.

A pesquisa foi realizada nos dias 24 (após o julgamento), 25 e 26 de janeiro, em 45 municípios de todo o Estado. A margem de erro é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos, e o intervalo de confiança é de 95%.

Fonte: OTempo