Pré-candidatos ao governo de Minas participam de debate com prefeitos

Dois pré-candidatos, Antonio Anastasia e Marcio Lacerda, defenderam transparência nas contas públicas

Dois Pré-candidatos ao governo de Minas Gerais, o senador Antonio Anastasia (PSDB) e o ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) expuseram ontem, durante encontro com prefeitos mineiros na sede da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), caminhos que sugerem adequados para que o próximo governador eleito possa alcançar, novamente, o equilíbrio fiscal.

Em sua apresentação, Anastasia destacou ser imprescindível que haja transparência. ?Podemos apontar vários caminhos, entretanto, todos eles vão precisar de sacrifícios e novos comportamentos. O novo governo deve ser transparente. Não adianta iludir e mentir. Caso seja eleito, nós vamos convocar imediatamente uma espécie de grande assembleia com a participação de lideranças, prefeitos, fornecedores, poderes do Estado e imprensa e de maneira muito clara mostrar a situação atual?, afirmou Anastasia. 

O político ainda criticou a falta de repassasses de recursos do governo aos municípios e defendeu um estreitamento nas relações com o governo federal para que o Estado consiga se reequilibrar. ?Se o governador eleito fizer o dever de casa, poderá fazer um governo modesto, não tem como fazer mágica?, disse.

Marcio Lacerda também defendeu a transparência e afirmou que os constantes atrasos de pagamentos ainda devem perdurar. ?O primeiro pilar para a reconstrução do Estado é o desenvolvimento econômico. Não há mágica para isso. Alguns atrasos, infelizmente, terão que continuar. O cobertor está curto, é preciso analisar o que se deve cobrir?, disse. Lacerda defendeu ainda a renegociação da dívida do Estado com a União e a aprovação da reforma da Previdência. Segundo o político, essas são medidas primordiais para que o governo consiga ter alívio nas contas. ?Tudo deve ser feito com muito planejamento e análise do mercado?, disse

Prefeitos 

Durante o evento promovido pela Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte (Granbel) e pela Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (Amig), o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), disse que o novo governador deverá adotar medidas impopulares. ?As posições serão amargas, duras e, muitas vezes, de antivoto. A população vai ter que entender que o momento é duro?, disse Kalil.

O prefeito de Betim, Vittorio Medioli (PHS), disse não ter ficado convencido com o debate. ?Aqui não estamos torcendo para um ou para outro. Queremos saber o que vão fazer, quais medidas serão tomadas. Infelizmente, não tivemos uma ideia muito clara do que vão fazer. Mas na realidade dá para mostrar que continuam por trás da velha política. É importante devolver o Estado ao povo?, opinou